O dia em que a Netflix trouxe minha infância de volta

Hoje eu tinha visto no Facebook que uma amiga minha compartilhou esse post, falando que a primeira temporada de Pokémon – com os pokémons de verdade, não esses mutantes que tem hoje em dia – tinha sido adicionada à Netflix.

Então hoje antes de começar minha sessão diária de séries resolvi conferir se era verdade mesmo. E caraca, era mesmo! Aproveitei que já tava lá e resolvi ver qual eram os idiomas e quais legendas tinham.

E foi aí que tive uma das melhores surpresas da minha vida.

Tinha legenda em português, mas não qualquer legenda. Legenda closed captions! Em português!

Pra quem não entende a importância de closed captions, vou explicar. Isso significa que eu – e vários outros deficientes auditivos e surdos brasileiros – poderão assistir Pokémon com as vozes a que estão familiarizados e de fato entender tudo o que está sendo dito. E quando eu digo tudo, é tudo mesmo! Todos os diálogos foram transcritos – e não traduzidos – , assim como todos os efeitos sonoros e ruídos relevantes.

Cena pausada de um episódio de Pokémon. Na legenda, Ash está dizendo que irá se tornar um Mestre Pokémon. O menu de Idiomas e Legendas está aberto, ocupando a metade inferior da tela. Existem 5 opções de idiomas, que são: inglês, espanhol, francês, holandês e português do Brasil. Existe legendas closed captions para todos esses idiomas.
Pokémon foi também o primeiro programa na Netflix que encontrei com closed captions em português. Quem diria hein?

Eu, como a maioria das crianças da minha idade, cresci assistindo desenhos como Pokémon, Dragon Ball Z, Cavaleiros do Zodíaco, Digimon, entre outros. Só que por ser deficiente auditivo, eu não conseguia entender a maior parte dos diálogos, ao contrário da maioria. Os diálogos, essenciais para a compreensão do enredo, eram lacunas que eu tava sempre tentando preencher através do que entendia com a parte visual.

Claro, isso não me impedia de sentar todo dia pra assistir os desenhos na TV Globinho na hora do almoço e nem de discutir o episódio com todo mundo na escola. Mas à medida que fui ficando mais velho e à medida que fui aceitando melhor minha perda auditiva, passei a sentir falta das coisas que eu perdi. Tinham coisas que todo mundo parecia entender perfeitamente bem e eu não.

Não foi difícil descobrir que isso era culpa da minha perda auditiva.

Então decidi que iria “reviver” minha infância. Iria assistir todos os desenhos que eu assistia quando era criança, mas dessa vez iria ver com legendas e entender tudo. Chega de ficar por fora.

Resolvi começar com meu favorito: Dragon Ball Z. O ânimo não durou muito quando percebi que era praticamente impossível achar desenhos legendados. E olha que eu pensei em comprar os DVDs. Mesmo assim, as únicas versões legendadas que eu achava tinha áudio original (japonês) e legendas em inglês ou em português. E sério, assistir Dragon Ball Z em japonês é uma coisa totalmente diferente! As vozes não têm nada a ver!

Fiquei frustrado, mas já que era o único jeito e eu tinha esperança de que era questão de tempo até eu me acostumar, resolvi engolir e assistir em japonês mesmo. E cara, fiquei chocado com o tanto de coisa que eu perdia ou que entendia errado!

Acabou que eu nunca me acostumei de verdade com as vozes em japonês e tinha certeza de que jamais seria a mesma coisa que assistir com as vozes que compunham a trilha sonora da minha infância. O fato de que um dia o Wendel Bezerra, dublador do Goku, veio na PUC dar uma palestra e dublou ele lá na frente só aumentou minha frustração.

Por anos eu desejei achar uma versão com closed captions. Nem precisava ser em português, podia ser em inglês mesmo. Tanto que decidi que eu um dia iria me juntar com alguém pra legendas os desenhos mais conhecidos aqui no Brasil (aliás, ainda tô trabalhando nisso, então se tiver interesse entra em contato :D).

E isso chegou ao fim hoje, com ajuda da Netflix. Eu jamais esperaria encontrar closed captions em um desenho, ainda mais quando o áudio original não é em português. Nunca vi closed captions feitos para uma versão dublada – mas ei, não tô reclamando!

Enfim, eu queria agradecer à Netflix, do fundo do meu coração. Vocês me ajudaram a recuperar um pedaço da minha infância que eu achei que nunca iria reencontrar. Acho que não é exagero dizer que assistir um dos desenhos que marcaram minha infância e realmente entender tudo era um sonho meu. Muito obrigado!

Cena do 6º episódio de Pokémon. Ao centro, um rapaz de óculos e jaleco branco abraça Ash com força. O rapaz está sorrindo e lágrimas saem de seu rosto. Atrás deles, Misty e Brock observam a cena surpresos.
Essa cena do 6º episódio ilustra perfeitamente o que tô sentindo agora. Netflix, sintam-se abraçados.

Update: Acabei de ver que o filme nacional “Cidade de Deus” – excelente filme – também tá com closed captions disponível!! E isso é novidade, já que no fim de semana eu fui mostrar o filme pra minha mãe e não vi legenda nenhuma. Sinal de que a Netflix está finalmente tornando sua programação nacional acessível para pessoas com deficiência auditiva!

Anúncios

Faça um comentário. A casa é sua.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s